Saúde: estudo mostra que excesso de manganês em peixes do Rio Doce ameaça saúde humana

Em artigo publicado recentemente na revista Environment International, pesquisadores revelam alta concentração de manganês em solos e água no estuário do Rio Doce, em Regência (ES), com consequentes elevados teores do metal em duas espécies de peixes: o bagre amarelo (Cathoropus spixii) e o peixe-gato marinho (Genidens genidens). Esses peixes são alimentos comuns entre os moradores da região, o que coloca em risco a saúde dos consumidores.

“Em grandes concentrações no organismo humano, o manganês pode comprometer o sistema nervoso central e levar a doenças neurodegenerativas, como Parkinson e Alzheimer”, afirma o professor do Departamento de Oceanografia da Ufes Ângelo Bernardino, coordenador da Rede de Solos e Bentos Rio Doce e um dos autores do artigo. Segundo ele, outro estudo da Rede, que é financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes) e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), está analisando os riscos da presença de metais para a saúde humana por meio de múltiplas fontes de contaminação na região de Regência.

No artigo, os pesquisadores tratam da grande quantidade de manganês resultante da tragédia ambiental ocorrida em 2015 na barragem de Fundão, da mineradora Samarco, no município de Mariana (MG), quando foram liberados 43 milhões de metros cúbicos de rejeitos ricos em ferro no Rio Doce, uma das maiores bacias hidrográficas do país. Os rejeitos percorreram 688 quilômetros rio abaixo e atingiram o estuário e o oceano 16 dias após o rompimento da barragem. “O desastre representou uma das maiores falhas de barragem de rejeitos já registradas e o maior desastre ambiental da história da mineração no Brasil, também matando 19 pessoas e causando extensos danos ecológicos, econômicos, sociais e culturais”, lembram os pesquisadores.

Segundo Bernardino, com o tempo, o manganês foi se dissociando dos rejeitos de ferro e se diluindo na água do estuário. Ele conta que amostras dos peixes e da água foram coletadas e analisadas sete dias após a chegada dos rejeitos, em 2015, e novamente dois anos após o rompimento da barragem. Em 2017, foi constatado um aumento de 880% do manganês dissolvido na água.

Potencial de contaminação

O manganês é um elemento abundante nos ecossistemas terrestres e costeiros e um micronutriente essencial nos processos metabólicos de plantas e animais. Em situações normais, não é considerado um elemento potencialmente tóxico devido ao seu baixo teor tanto no solo quanto na água. “Aqui, avaliamos o potencial de contaminação do estuário do Rio Doce após o colapso da maior barragem de rejeitos de mina do mundo, resultando potencialmente em exposição crônica à vida aquática local e de humanos”, afirmam os pesquisadores no artigo.

O estudo mostrou que o alto conteúdo de manganês em fígados de peixes é indicativo de exposição crônica ou aguda, dada a função do fígado no armazenamento, na redistribuição e no metabolismo de contaminantes. O manganês também foi encontrado no tecido muscular dos peixes, o que representa um alto risco para a saúde humana da comunidade local porque os músculos são consumidos por humanos, como já demonstrado em trabalhos anteriores da Rede.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o consumo de alimentos é a principal via de exposição ao manganês para humanos, com concentração média em fontes de proteínas básicas, como carne bovina, aves e peixes.

Os pesquisadores alertam que a liberação contínua de manganês dos solos estuarinos levará ao acúmulo do elemento químico em outras espécies de peixes, caranguejos, plantas e ostras, todas importantes fontes de alimento para a população local. “Uma ingestão constante de alimentos com altas concentrações de manganês a longo prazo pode expor a população local a efeitos adversos à saúde humana, como distúrbio neurodegenerativo, toxicidades cardiovasculares e danos ao fígado”, dizem no artigo.

Recuperação do estuário

Segundo o professor Bernardino, alguns estudos estão sendo efetuados no sentido de recuperar o estuário. “Nosso grupo está avaliando duas formas. Uma delas é o tratamento de solos com sulfato, o que pode fazer com que os metais se prendam ao ferro nos solos e não contaminem a fauna. A outra alternativa é o uso da taboa, uma planta herbácea que tem grande capacidade de acúmulo de metais”, afirma.

 

Texto: Sueli de Freitas
Imagem: Angelo Bernardino
Edição: Thereza Marinho

 

Categoria: 
Destaque
Objetivos de Desenvolvimento Sustentável
Essa é uma ação da Ufes relacionada ao Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 3 da Organização das Nações Unidas. Clique e veja outras ações.
Essa é uma ação da Ufes relacionada ao Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 14 da Organização das Nações Unidas. Clique e veja outras ações.
Essa é uma ação da Ufes relacionada ao Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 15 da Organização das Nações Unidas. Clique e veja outras ações.
Acesso à informação
Transparência Pública
Planejamento e Gerenciamento de Contratações (PGC)
Dados abertos
Prestação de contas

Av. Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras | Vitória - ES - CEP 29075-910 | © Universidade Federal do Espírito Santo 2013. Todos os direitos reservados.